Seguidores

Militares já estudam mapas da Maré para ocupação na primeira semana de abril

As Forças Armadas já começaram os preparativos para a ocupação das 16 favelas do Complexo da Maré. Ontem, o EXTRA flagrou um caminhão do Exército estacionado dentro do 22º BPM (Maré) no período da tarde. Os militares foram ao local para uma reunião com o comando do batalhão. O objetivo do encontro era coletar informações sobre o terreno da Maré com a Polícia Militar. A partir da primeira semana de abril, nove mil homens vão ocupar o complexo de favelas para a instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), em novembro.
— Eles estavam com o Bope e vieram aqui pegar os mapas da área — explicou o comandante do batalhão, tenente-coronel Walter Teixeira da Silva Junior.
  • Enquanto o Exército se prepara para tomar a região, os chefes do tráfico local já elaboram planos de fuga. Policiais da 21ª DP já monitoram uma reunião entre Marcelo Santos das Dores, o Menor P, que controla o tráfico em 11 favelas do complexo, e Fernando Gomes de Freitas, o Fernandinho Guarabu, do Morro do Dendê, na Ilha do Governador. O encontro entre os dois maiores nomes na hierarquia da facção fora da prisão vai acontecer até o final da semana, segundo a polícia, e teria como objetivo definir o destino dos traficantes até a ocupação.

A facção ainda não sofreu perdas com o avanço da pacificação. Entretanto, a ocupação da Maré pode acelerar uma guerra interna entre membros da quadrilha que ocupam favelas de Senador Camará, como a Coreia e a Vila Aliança, e traficantes aliados a Menor P.
O prenúncio da disputa foi a morte de Fábio Augusto de Souza, o Fabinho Noronha, Felipe da Silva Caetano, o Zebrião, e Everton Augusto dos Santos, o Playboy, encontrados com sinais de tortura dentro de um carro no bairro. Os três tinham o apoio de Menor P para tomarem a Vila Kennedy, em Bangu, de uma facção rival.
A ocupação da favela pelo Bope pôs um fim no plano do trio, que se refugiou, a pedido do chefão da Maré, na Vila Aliança. Segundo informações do serviço reservado do 14º BPM (Bangu), a decisão não foi bem recebida pelos traficantes de Senador Camará, que, desconfiados da possibilidade de Menor P querer tomar a região, mataram o trio, em represália.